:: Parte 2 ::

Sendo assim, com os significados "REAIS" de seus nomes, a expressão o D´us de Abraão , Isaque e Jacó deve ser lida:
O D´us de Abraão: "O Pai é Exaltado, de Isaque: "Ele riu", ( ou Riso) e de Jacó: "Aquele que luta e vence".

Yitzak e Rivka sabiam que faziam parte do plano de D’us; que seriam os pais da Sua única nação.
Antes de nascer, o Eterno comunicou à sua mãe: “Duas nações há no teu ventre, e dois povos se dividirão das tuas entranhas, e um povo será mais forte do que o outro povo, e o maior servirá ao menor. “Gn. 25:23 ( Curiosidade: somando os números do capítulo e do versículo, temos o número 12 . 12 Tribos de Israel). Sua mãe ouviu do SENHOR que o que nascesse depois seria o senhor sobre o que nascesse antes. Por algum motivo , Rivka entendia que a primogenitura estava totalmente ligada com ser o Pai da nação Santa e a “SENHORIO” .
Então Rivka em seu coração perturbou-se e certamente pensou." Há aí um problema, porque se o mais novo é o detentor da benção, mas nasceu depois, terei que fazer algo para reverter isto! Este pensamento ganharia força ao ver a preferência de seu marido por Esaú"

Os Pais do Seu povo tinham que ter o caráter de D‘us para o darem por herança a seu povo. Por isso cada patriarca passou por uma vida e provas específicas. Para darem frutos de herança eterna ao povo de D’us. Que é primeiramente povo pela fé.

O auge do trabalhar de D’us nos patriarcas terminaria em Yaakov.

Assim como muitos homens de D’us, muitos profetas, e o próprio Yeshua, Yaakov viveu uma vida de rejeição, exceto pela sua mãe que ouvira a palavra do Senhor e sabia quem ele era. Rejeição , confrontos e provas, onde tudo que ele tinha era uma promessa. Precisava ter fé.

Mas D’us deu a Yaakov inteligência e intrepidez de um guerreiro.
Só quem ama a D’us valoriza o que vem dEle. Quem não O ama despreza tudo que vem dEle.
Para Yaakov, a coisa mais importante era estar no centro da vontade de D‘us. E a princípio, a Sua vontade era algo impossível. A primogenitura.

Por Yaakov ainda acreditar que a primogenitura estava ligada com a benção de ser o patriarca,Numa ocasião, depois de uma caçada, seu irmão Esaú, estava com fome e quis comer o que Yaakov tinha preparado. Não está escrito na Palavra as motivações de Yaakov para tal proposta. Estava nas mãos de Esaú algo que era de Yaakov. Yaakov com sua proposta absurda, põe à prova o coração de Esaú, revelando a ele mesmo o quanto valia a primogenitura: “NADA”..
Então de forma absurda, mas sem trapaça, de livre e espontânea vontade, Esaú lhe entrega o que era seu por direito, mas não por decreto divino. Agora Yaakov havia tomado a primogenitura. Há quem possa dizer que Yaakov se aproveitou da fome de Esaú, pois ele disse: “Eis que estou a ponto de morrer; para que me servirá a primogenitura?” Mas quem trocaria o título de ser judeu, ou filho de D’us, ou um cargo em uma empresa, um diploma conquistado por comida? Não existia comida na casa de Isaac? Ou no campo? Não havia ele mesmo caçado um animal?

Todo argumento contra a ação de Yaakov neste momento é como "atirar a primeira pedra. Ele apenas desejou, pois foi ensinado pelos seus pais que a primogenitura era a porta para a bênção que estava em suas mãos. Infelizmente não havia uma pessoa para lhe ajudar, e por um motivo soberano, nem o Eterno o ajudou neste momento.

Mas se mesmo assim alguém não desistir de sua posição, tenho uma pergunta a fazer:
Desde Adão, quando algum dos seus erra, Ele fala e exorta para levar seu filho ao arrependimento. Porque nesta passagem, D’us não se manifesta? Ele teria desistido da Sua Palavra bem na reta final? No último patriarca? Com certeza não.
Yaakov não precisava desgastar-se tanto, esperando uma oportunidade para tomar a primogenitura das mãos de Esaú. A Palavra não nos dá esses detalhes. Porém não houve sobre Yaakov nenhum peso de juízo em relação a esta negociação.

Infelizmente nem Rivka, nem Yaakov tinham aprendido ainda a descansar nas promessas de D’us e a confiar.

Por isso numa atitude desesperada, sua mãe tem a idéia de disfarçar Yaakov de Esaú para conseguir a primogenitura.

Desde antes de seu nascimento o Eterno já trabalhava o carater de Yaakov. E Seu caráter se manifesta quando Yaakov diz: “Então disse Jacó a Rebeca, sua mãe: Eis que Esaú meu irmão é homem cabeludo, e eu homem liso; Porventura me apalpará o meu pai, e serei aos seus olhos como enganador; assim trarei eu sobre mim maldição, e não bênção.”
Yaakov era justo e não queria deixar de ser. Mas sua mãe lhe impôs obediencia.
Qual de nós alguma vez deixou de fazer o que era certo aos nossos olhos porque alguma autoridade acima de nós fez-nos fazer algo com o qual não concordávamos ? Seja esta uma lição para todos nós.
Neste caso, Yaakov se viu obrigado a mentir a seu pai e o fez, manifestando assim uma falha de caráter, a qual D’us expôs que para que fosse tratada, e assim alcançasse a sua coroa e seu posto de ser Pai do povo do Eterno.
Infelizmente Yaakov e sua mãe creram em uma mentira. A benção da primogenitura não estava ligada à bênção de ser pai da nação de Israel. Yaakov não precisava se fazer passar por Esaú, pois desde antes nascer, o Eterno já havia determinado quem seria o pai de seu povo e comunicou isto a sua mãe.
Ismael foi o primogênito de Abraão, mas não era o pai de Sua nação. Nem José, o filho mais justo de Israel, não foi nem o primeiro nem o último filho. Nem David foi o primogênito. Apesar de ser honroso ser primogênito, isto não era condição para ser O Pai da Nação do Eterno.
Esaú com seu mal caráter e um coraçãorebelde e inclinado a desobediência poderia ser um príncipe, um patriarca do Eterno? Isaac só poderia falar o que saisse da boca de D’us. A prova é que não pôde voltar atrás na bênção dada a Yaakov e não pôde abençoar o filho que tanto amava, por mais que este chorasse em sua presença.


<< Introdução                                                                                                     Parte 3 >>