Catch The Fire
 A única intensão de relatar os dias deste congresso, é unicamente mostrar quem é o Senhor na vida daqueles que Ele ama. Peço a D´us que a sua atenção não seja voltada a mim como pessoa, nem ao "mover em si". Mas somente a Ele. Pois Ele está derramando muito de Si aos que O buscam. Shalom.
______________________________________________________

Capítulo 1 .................................................................................. 1º DIA
 Capítulo 2 ................................................................................. 2º DIA
  Capítulo 3 ................................................................................. 3ºDIA
   Capítulo 4 ................................................................................ 4ºDIA
    Capítulo 5 ............................................................................... 5ºDIA

Capítulo 1 - 1º DIA

Observações: Quando for citado o termo “americanos”, todos eles fazem parte da Equipe do Randy Clark, da Global Awakening. Este evento se chama Catch The Fire. Quando eu citar “e as pessoas do seminário”, é porque antes do evento “Cath The Fire”, houve um outro seminário para pastores e líderes, sobre cura, que aconteceu uns dias antes. Neste eu não pude ir. Todas as pregações foram feitas ou pelo Randy Clark ou por americanos da sua equipe.

   Sábado. Dia 17/04. Acordei de manhã com uma dor nunca sentida antes numa região do meu corpo. Fiquei preocupado e orei. Pouco tempo depois passou. Não entendi o porque. Depois fiquei sabendo que é um modo de D´us mostrar a dor ou doença de alguém. Mas só vim saber disso somente no seminário.
   Estádio da Portuguesa. Desde alguns meses já sabíamos desse evento e eu combinei com minha irmã de irmos. Uma semana antes, minha irmã esqueceu e combinou uma ida a um parque de diversões no sábado d dia do evento para comemorar o aniversário de um priminho meu. Mas na última hora eles marcaram para domingo. Haveria ministração de louvor com a Casa de Davi e também com o Grupo Global Awakening. O evento se chamava : “Cath The Fire”. Como já tivemos grandes experiências de louvor com a Casa de Davi, resolvemos ir. Gostamos de adorar ao Eterno com irmãos que buscam a mesma coisa... chegar ao Seu Trono. Entendi que deveria levar o shofar. Apesar de relutar, levei. Realmente o louvor foi muito abençoado. Eu realmente deveria ter levado o shofar, pois o Espírito Santo me moveu a tocá-lo várias vezes. Então, num exato momento, pude ver Yeshua, gigantesco, com roupas de servo (um tom de marrom, e algumas listras mais claras), uma túnica simples, com a cabeça coberta, ajoelhado e servindo as pessoas. Ele de joelhos, encostava no teto do ginásio. Foi muito impactante!!
   Depois o Randy Clark chamou Três pessoas, que tinha um testemunho parecido e singular para compartilhar. Houve uma palavra de uma pessoa da Equipe da Global. O último a testemunhar foi um jovem de vinte poucos anos. Que após um testemunho de uma moça tratando do mesmo tema (ela disse que num culto de missões numa terra remota, caiu no chão, depois de ter voado três metros, tremendo toda até ser arrebatada). “Puxa! Voar três metros! Devia ser bem legal ver algo assim. Muito poder de D´us.” E dei um sorriso imaginando a cena. O testemunho do rapaz era que o Eterno o tinha levado até seu trono, envolto de nuvens, trovões e relâmpagos. E disse que o Senhor está escolhendo alguns para irem até Seu Trono receber dEle uma adoração singular, de muito poder para ser derramada na Terra. Amém. Que possamos nos abrir 100% para Ele nos levar aonde quiser.
  
Porém não ficamos até o fim da reunião. Saímos no meio da pregação do Randy (eu já tinha visto no ano passado uma pregação do Randy Clark. Foi uma boa pregação. Um tanto didática. Abençoada, mas no ano anterior não havia me rendido muito). Houve curas físicas nesse dia também. Tínhamos sido bem abençoados. O resto do congresso seria na igreja Avivamento Contínuo. Seriam mais 4 dias. Uma taxa de R$20,00. Com reuniões as 9:30 e as 19:00 Eu não fazia planos de ir. Não queria ir. Só se Ele quisesse. Para mim, o dia da Portuguesa já tinha bastado.

>>voltar

 

Capítulo 2 - 2º DIA

   Muito bem. Dormi no sábado satisfeito com o dia que tivemos. Dormiria até umas 8 e pouco.Depois eu iria numa reunião com meus irmãos no Senhor, e depois iria trabalhar. Eu que acordo tarde, estranhamente acordei as sete e pouco. Sem sono. Ah... Precisava dormir mais um pouquinho...Domingão. E me encolhi para dormir mais.
   “Vai ao congresso...”.
   “Ah, hoje eu vou acordar mais tarde e depois fazer algumas coisas de trabalho, etc.”.
   “Vai ao congresso”.
   “Ir no congresso? 20 reais? Puxa, cedo assim? No ano passo não foi muito legal. O Louvor é uma bênção... Tem unção...    Mas pagar vinte reais? Nem estou podendo fazer isso direito. Ah... Tudo bem. Se for para ir. Vou”. E fui.
   Uma manhã de domingo maravilhosa e quieta, com muito sol. Fui a pé. Vinte minutos de casa.
   “O que será que terá lá, para D´us me acordar e me empurrar até lá?”.
   Paguei os 20 e entrei. Estava meio vazio e...
   “Ué? Mas não era a Casa de Davi que estava louvando! Era o grupo da igreja! Fui enganado!” Pensei com certo humor, para não me aborrecer. Mas...Eu não fui lá para louvor com a Casa de Davi. E pior. Nem quis ir. Mas fui porque Ele me acordou e me fez vir. Então “relaxa e busca ao Senhor”.
   Me desliguei do que me aborrecia e busquei o Senhor e o louvei. No meio do Louvor, eu o adorava, adorava e entendi uma coisa:
   “Vá até a frente do púlpito de arrastando de joelhos”. Todos os dias eu fiquei no canto esquerdo da igreja. E lá devia ser um cinema. Dois andares. Grande.
   “Ir ajoelhado até lá na frente? Arrastando-me? Que humilhação! Todo mundo vendo ... Porque D´us? Bem... amém..O Senhor é Digno de toda Honra e Glória, o Senhor merece tudo . E eu quero te agradar. mas ... será que O Senhor quer isso mesmo? E se for minha cabeça? Pagar esse mico por causa da minha viagem?” E tentava me convencer. Pensei em mim testemunhando isso e pessoas me dizendo:
   “Puxa, como D´us faz coisas grandes em você!” Aí ganhei forças para fazer isso ... Agora eu vou. Mas Ele mostrou:
   “Não. Com esse coração eu não recebo. Toda honra e Glória a mim!” Então me entristeci, mas Ele não queria que eu voltasse a atenção para meu erro, mas para Ele somente. E fui curado.
    Depois do louvor veio uma pregação. Iria pregar o mesmo jovem que ministrou um pouco no dia anterior e falou do seu arrebatamento até o Trono. Pregou Joel 2. Muito bom. Depois da pregação, ele solicitou que fôssemos na frente, pois Ele queria orar por cura, unção na direção do Senhor. E realmente o Espírito Santo se fazia muito presente. Ele orava, empunha as mãos e muitos caíam no chão. O poder ia aumentando. Realmente quando ele passava por mim, tinha muito poder de D´us, quase insuportável à carne. Então Ele foi me trazendo à lembrança coisas que Ele tinha me mostrado a algum tempo. Andando pelo Globo com sandálias e eu gigantesco “... Uhhh !! Amém Senhor!!!!” E comecei a ser ministrado por Ele diretamente. Já não havia a necessidade de receber palavras proféticas. Ele já estava falando por Ele mesmo. Como estava sendo bom! Então ele passa por mim, vai adiante, mas recua; se volta para mim e segura na minha mão. Fala algo em línguas, se regozija no Senhor, ri e sopra em mim.
   Só vi o poder do Eterno me arremessando três metros para trás. Pude ver minhas pernas de debatendo no ar e “PAF” no chão! E comecei a me tremelicar todo no chão, como quem tem convulsão, mas nenhum desconforto. Era muuuito bom. Sem palavras em português para explicar. Ele estava ministrando algo de muito poder em mim. Porém vieram algumas pessoas da igreja, responsáveis pelo evento e foram me segurar. E uma disse: “Pede paz no Espírito para Ele!”. E começaram a orar. E eu vi aquela unção em mim diminuindo e percebi que era um roubo. Por D´us consegui me levantar, e afastar aqueles que estavam em cima de mim orando contra, sem perceber. Olhei bem nos olhos deles e comecei a esbravejar em línguas, como quem diz:
   “Vocês são loucos? Não conhecem Seu Senhor? Não entendem que Ele pode fazer o que quiser e ministrar como quiser em seus Filhos? E os que me seguravam e oravam, uns 5 ou 6, ficaram me olhando espantados... quase que chocados. Não sei que eles entenderam disso. Tive que lutar para aquilo não me entristecer nem me abater. E clamei para que o Senhor não parasse de ministrar em mim.
   Saí de lá meio zonzo e já liguei para Jeziam, da rua mesmo, para compartilhar o que tinha recebido. Impactou-me de alegria o Poder de D´us me tocando. Deixou-me muito Feliz. Sem sombra de dúvidas Yeshua é divertido e Feliz. Eu meio que passei a tarde de domingo impactado e Ele continuava a trabalhar no meu espírito. A noite complementou o trabalhar. D´us usou e fluiu muito na adoração, agora novamente com a Casa de Davi. Mais uma vez, o Senhor me deu graça e abriu meus olhos para que eu O visse, o próprio Senhor, pulando e dançando com seus irmãos, nós, novamente com roupas humildes de Servo. Podíamos ver Ele nos quebrando até o profundo com Seu Fogo Santo. Não me lembro muito do que foi pregado. Sei que foi bênção. O Senhor estava agindo demais. Se Ele quisesse, eu iria lá na segunda. Eu havia percebido uma coisa: o mover do Espírito estava muito forte; muito forte e muito lindo e se quer mais. Mas há no ser humano, uma tendência de beber e comer de Sua mesa e não se atentar a Ele. Clamei para que eu não me deixasse levar pelo Seu banquete e não me atentasse a Ele. Esse risco existe.
   A reunião acabou por volta de meia noite. Mas eu só consegui dormir mais de quatro da manhã. Muito barulho na rua.

>>voltar

 

Capítulo 3 - 3º DIA

   Bem. Ele quis. Mesmo depois do que tinha vivido, ainda perguntava a Ele se Ele queria que eu fosse. Mas tudo bem. Fui e foi a mesma bênção, mais até. Era meio impossível se manter em pé no louvor. Muito poder, muita presença do Senhor. Como Em Crônicas na inauguração do Templo. Eu já estava de joelhos, sempre no canto esquerdo da igreja. E me veio:
   “Vá até o púlpito de joelhos.”
   “Amém D´us. Te amo”. Como era bom ..Ele ... “D´us amado. Te amo..Te amo.”
   Que bom que ninguém me via. Ele era o centro. Porém, no corredor, havia um americano sentado, apoiado na parede com a perna atrapalhando o caminho. “Pai, não quero ultrapassar, passar por cima desta perna.” E fiquei lá. Então esse americano põe sua mão na minha cabeça e ficamos nisso um tempo. Eu não suportei o peso do meu corpo e tombei. Aconteceu algo na minha vida naquele momento. D´us derramou tratamento, libertação e intimidade.
   Ia começar a palavra eu estava jogado no canto da parede que nem conseguia me levantar. . Antes, a esposa do pastor tinha recebido uma palavra profética. Quando ela foi dizer o que era, riu e caiu no chão. Ficou para o fim. O pastor da igreja anunciou o casal de americanos que pregaria da seguinte forma:
   “Olha; Uma vez, esse casal me fez passar a maior vergonha. Fomos até a praça da alimentação em um shoping e ela e mais outra mulher resolveram orar. Pra que? As duas caiaram no chão e começaram a rolar no chão sem parar assombrando todo mundo na praça de alimentação.” Muito riram.
   A Carol Dew subiu no púlpito quase carregada pelo seu marido Bill, tendo vários tremeliques.
   A pregação dela foi sobre o grande amor de D´us. Cura no coração. Ele é amor. Amor. Ele quer suprir tudo que seus pais não conseguiram te dar quando você precisava. Foi maravilhoso. Muito. Quanta cura em pessoas que sofriam anos de rejeição, dor, mágoa, e outros males de sentimentos. Muita gente foi curada na alma nesse dia. Como Ele é Bom ..O Pai perfeito. Seu amor é tão grande...Como Ele anseia em nos curar totalmente.
   Saí de lá muito no óleo, mas aproveitei para dormir de tarde.
À noite, estava lá. Muito bom ter louvado ao Eterno com o pessoal da Casa de Davi. O Senhor realmente deu direções de louvor a eles. Seria o último dia deles lá. O louvor foi tão intenso que em determinado momento, pude ver um grande demônio cair de cima e espatifar no chão. Negro, grande e gordo. Glórias ao Eterno D´us por isso. A pregação foi voltada para a parte de curas físicas e sobre os diversos tipos de cura. E muitas pessoas estavam sendo curadas. Desde o primeiro dia era pedido para que as pessoas curadas acenassem seus braços e testemunhassem:
   “Quem se recusa a testemunhar, tem medo do homem. Está preocupado com o que o homem vai pensar. Orgulho e vergonha. Esta atitude traz roubo e não exalta a D´us.” Era dito sempre isto.
   Eu que tinha quebrado o fêmur a 12 anos e por causa do tipo de fratura e demorada recuperação, fiquei com uma pequena diferença na perna entre 1 e 1,5 cm. Mas, uma vez, já tinha recebido promessa de cura, em 1996, no fim do ano. Fomos orar no monte e meu pastor na época entendeu que tinha que orar por isso e orou exaustivamente. E entendeu que eu fui curado. Quando descíamos o monte, havia uma gritaria na trilha. Pensei: “Serão macumbeiros?” Mas chegando lá, vimos que eram irmãos. E estavam orando e adorando no meio da trilha. Eu que ia à frente, não podia andar mais e fiquei parado. Aí um lá, que parecia encabeçar o grupo disse: Você parou de andar porque um anjo te parou. Bem muitos começaram a profetizar lá e esse que encabeçava me disse várias coisas. Várias. E uma delas foi: Hoje D´us trouxe cura para você. Então entendi que pelo menos no mundo espiritual eu estava curado.
   Sendo assim, eu esperava que ninguém da equipe dissesse: “Tem alguém aí que quebrou a perna e não ficou como deveria ou ficou com alguma diferença no tamanho?”. D´us sabia a hora. E eu nunca gostava de expor isso. Não aceitava este fato na minha vida. Como poderia eu, ter algum defeito físico? Inaceitável. Nunca comentava, e alegava atrofiamento. E como eu mal mancava, apenas quando fazia muito frio, passava batido. Mas mesmo assim eu orava e colocava minhas mãos. Bem. Ninguém falou nenhuma revelação sobre meu caso. Mas numa hora lá, o Randy Clark diz:
   “Quem tiver qualquer problema que se levante”. Mas eu não levantei. Não quis me expor e entendi que Ele já tinha me curado. Na hora certa se manifestaria. Mas aquela atitude não me deixava feliz. Havia como um confronto na minha vida. Uma ponta de constrangimento, orgulho e vergonha. Talvez não só uma ponta. Então fui embora e orando. Apesar disso, o Senhor derramou muito de si. Foi bênção.
   No caminho até em casa fiquei pensando: “É... Uma hora Ele me cura. Não será aqui. Desta forma. De preferência ninguém nem saberá. Porque eu nunca quis que ninguém soubesse disso mesmo.”
   “Porque não? Por que não pode ser aqui? Você espera que haja um show pirotécnico no dia que você for curado? Um dia extremamente especial? Estes dias não estão sendo especiais? Essas pessoas por acaso não são dignas de curarem você? De Eu te curar através delas?”.
   Puxa vida. Quanta coisa estranha eu tinha dentro de mim por causa deste problema. Quanto orgulho. Como eu fugia disso. Como eu ainda me achava imponente. Mesmo depois de tanta paulada e tanto quebrantamento. O “Eu Sou” ainda falava dentro de mim.
   “Perdão Senhor. Não quero mais ser assim. Me ajude. Me cure. Seria muito bom sim se meus irmãos fossem Teu canal de cura! Eu não quero mais ficar escondendo isso, me escondendo, me achando perfeito, nem orgulhoso. Faça o que quiser    Pai, quero ser curado.”
   Eu estava com o sono muito atrasado. As reuniões acabavam depois da meia noite. E neste dia estava chovendo, eu não tinha levado guarda chuva. E eu estava com sintomas de resfriado. Achei que seria melhor não ir no dia seguinte de manhã.

>>voltar

 

Capítulo 4 - 4º DIA

   Fui dormir bem abatido e cansado.
   “Melhor não ir amanhã cedo. O Pessoal da Casa de Davi já foi embora, vai ser mais tranqüilo. Um dia só para me recuperar”.Mas eu acordei na boa hora de ir lá e pegar tudo do começo.
   “Ah, não. Eu preciso descansar. Puxa... to gripado. Tomei chuva”.Eu realmente fiquei um tempo a mais na cama teimando.”Ah D´us. É melhor eu não ir, e me resguardar esta manhã não?”. Bem. Quando eu vi, já estava lá dentro da igreja.    Cheguei bem na hora que havia acabado o louvor. A Palavra foi muito boa também. Sobre posição e fé. Alimentou bastante. Cada dia pregava uma pessoa diferente. Muito bom. D´us não queria que eu perdesse.
   A noite chegou. Algo dentro de mim dizia que seria uma noite feliz. O Louvor foi muito bom. O poder e a unção estão em todos aqueles que buscam. Eu já clamava para que as placas da igreja e do evento, do grupo caíssem. Que fosse somente,    Uma reunião de Santos ministrada por Ele, que não fosse visto nem visível nada além disso. A pregação foi sobre zonas de conforto. O pregador contou como precisamos sair de nossas zonas de conforto. E como Ele nos pede para fazer coisas desconfortáveis e precisamos fazê-las. Sair às ruas, falar com desconhecidos, ir a lugares estranhos. Pedir perdão, perdoar, etc. Ele deu um exemplo de sua vida. Onde precisou ir a uma ilha , e teve que usar uma saia tribal (rosa), inclusive obrigou o tradutor a usar. Muito desconfortável e engraçado. Ele não gostava de areia, se sujou de areia. Não gostava de andar de barco, andou de barco. E por aí vai. Não queria, lutou contra, mas...Teve que ir. E foi. E grandes milagres aconteceram. E com certeza ele nunca se esqueceu do poder de D´us naquela ilha. O próprio chefe da ilha, que era surdo, foi curado.
   Então chegou a hora das curas. Bem. Eu já estava quebrantado. D´us podia me expor e me curar. E não deu outra... Uma pessoa falou algo que eu tinha. Levantei-me. “Podem me olhar todos. Não ligo mais. Sou eu mesmo. Uma perna ficou menor que a outra. Ok Ok .”.
   Houve uma oração coletiva lá. Depois fomos para frente. Houve grande derramar do Espírito, e muitos de nós ministrávamos na unção uns aos outros. Durante um tempo. Via de regra, só as pessoas da Equipe americana da Global Awakening e as equipe da igreja e os que fizeram o seminário e tinham crachá podiam orar e ministrar. Bem, mas quando eu entendia que Ele queria me usar, eu permitia.
   Havia um ou outro que orava pela gente e na sua inocência queria que a gente caísse na unção. Na hora estressa. Mas tudo bem. Paciência e amor por eles. Um brasileiro do seminário que viu o problema na minha perna quis orar por mim. Mas eu não reconheci. Então o pregador orientou quem tinha problemas físicos, procurar alguém da equipe para orar, oravam por nós individualmente. Um americano da equipe me chamou. O chamarei de “Americano 1”. Perguntou o que era, eu disse. Havia uma tradutora para ajudar. Ele me perguntou se eu tinha aceitado a Yeshua, e se eu era batizado no Espírito. Disse que sim. Pôs a mão na minha perna, mas havia tanto poder no lugar, nele, em mim e em tudo lá que eu não conseguia ficar em pé. Orou orou e nada. Ok. Uma hora senti virtude saindo da mão dele. Ia dizendo. Ele disse. Cura é mistério (em outras palavras ele disse isso). D´us pode curar gradativamente. “Eu sei”. E sabia mesmo. Depois eu lhe disse que Ele também trabalha em mim esse dom de cura, (que já se manifestou) e nesse seminário Ele me mostrou também o problema de algumas pessoas. Ele riu, me incentivou e disse que eu era do céu e me deu um abraço fraternal.
   Então aparece o (brasileiro) que recebeu a palavra de conhecimento sobre meu caso e diz:
   - Puxa, você não disse que tinha problemas, dores?
   - Não tinha mesmo. É meu fêmur. Quebrou a um tempo,mas não dói. Ora, mas se você quiser orar por mim ore agora. O que está esperando? – disse eu.
   Então ele orou:
   - D´us entrego esta perna nas tuas mãos, etc etc... cura Senhor. Etc. - Mas de repente ele começa a orar não pela minha perna, mas pelo meu ministério. Pensei. “Ué?” Até quando ele disse. Que ele seja uma coluna da “Tua Justiça”. Justiça?    Daniel...Daniel. Tá certo. Amém.
   Depois desta oração dei um abraço no meu irmão, pensei a respeito e andei um pouco, entre meus irmãos. Uns caídos, uns recebendo oração, outros falando em línguas, etc.
   Acabei parando perto de um outro americano. Chamarei de “Americano 2”. Orando por um menino com problemas sérios de crescimento e coluna. Ele era pequeno, torto e não desenvolvido. Resolvi apóia-lo em oração. O menino cria no Senhor e orava em línguas também. De repente sinto uma terrível dor física debaixo do braço na região das costelas e entendi que era por causa do menino. Quis falar para o Americano 2, mas ele me interrompeu e não entendeu o que eu queria. Depois da oração, expliquei para ele. Ok. E ele perguntou se eu queria que ele orasse por mim. “Ora... sim. Pode orar.”. E orou. Puxa!    Minha perna começou a dar umas coisas, como se estivesse encolhida. Eu que me sentei no chão para ficar mais confortável, começava a gritar literalmente; algo muito estranho. Ele orando, orando. E nada. Mas minha perna estava sendo tocada e muito. Então, na minha frente havia um anjo tão grande, mas tão grande, que só pude ver um pedaço de sua túnica resplandecente se movimentando. Estava o americano 2 e a tradutora. Num momento ele disse para ela:
   - Você fez o seminário de cura?
   - Sim, mas ...
   - Então... let´s Go. Pray for him!”
   Eu estava me divertindo já. “Eu???? Ta bom.” E ele se foi. E a menina lá orando. Orando. Em línguas. Eu via uma placa de chumbo envolvendo minha perna. E num determinado momento disse: “Senhor, só o Senhor pode quebrar isso.” E Ele quebrou. Ela chamou um amigo dela para orar por mim. Um rapaz de 18 anos. Eles começaram a orar. O rapaz se ajoelhou para por a mão no meu pé. E ficaram orando. Mas eu vi que eles já não oravam pela minha perna, mas também pelo ministério. E ficavam batendo no meu pé. Aí o rapaz, Felipe, quase caiu para trás..e não conseguia falar.
  E dizia:
  - Cara... Meu... Puxa..cara... ôôô... cara... cara... - Ficou assim um bom tempo. E eu:
   - Fala ..Fala o que é...Que foi? - Ele quase caído não conseguia falar. Mas aí ele falou:
   - Meu, você vai ter que andar por lugares...- Eu interrompi
   - Ah não! De novo D´us vai me falar dessas coisas?”. E me alegrei e comecei a gritar e estrebuchar no chão rindo ... muito muito muito.
   Ele terminou:
   - Olha. Você vai andar por lugares, e as pessoas não vão gostar muito não. - Meu semblante mudou. “O que? Porque?” Mas já entendendo o que aquilo queria dizer. Ele disse:
   - Lembra do filme Paixão, quando Yeshua entra no local onde estão os sacerdotes? Aqueles olhares? É isso. Gente grande. - Eu já sabia, que Ele quis enfatizar isso. E continuou:
   - Mas , onde você pisar, o Reino vai entrar! Ele enfatizou bem.”E sentiu grande necessidade de orar por mim pedindo cobertura e uma forte armadura.
   - Como você se chama?
   - Mauro, mas D´us me chama de Daniel. - E enquanto ele orava eu via ele recebendo a mesma armadura. Com muitos detalhes dourados. Ele foi muito tratado e coberto também. Louvo a D´us pela vida do Felipe. Que conheci naquela noite.    D´us me fez orar muito por ele também. Ele lhe estava dando grandes pés e grandes sandálias. Para andar e pisar fortemente na Terra.
   E fui embora , com minha armadura pesada. Mas um tanto bêbado do Espírito. Minha armadura estava muito pesada. E eu tinha dificuldade para andar levemente com ela. Ela pesava os pés. Não tinha como não pisar forte. Podia quase ouvir os “Clank Clank ” de seu som pesado e metálico. Meu discernimento aumentou e pude ver do trajeto até em casa, pela Rua Maria Paula, viaduto, Av São Luiz, os domínios demoníacos, as tampas nos céus, impedindo moveres. Cada ponto um domínio. Mas eu estava Com Ele e sabia que eu era visivelmente gritante aos olhos dos domínios das trevas. Bem. É a vida. Eles me viam, não podiam encostar em mim. E eu os via e prosseguia me trajeto até minha casa. Nesses dias eu via reações em mim, por causa do Espírito de movimentos de liberdade, no meu corpo, que já não me inibia em falar me línguas na rua, sozinho, ou receber uns “choques no corpo”, ou levantar a espada.

>>voltar

 

Capítulo 5- 5º DIA

   Último dia. Puxa. Que pena. Foi muito bom. Será que Ele fecharia com chave de ouro? Entendi que deveria levar o shofar e o talit. Eu não gosto de me expor como judeu num lugar evangélico. Mas àquela altura, eu já nem me importava com nada disso. Vivo a um bom tempo sabendo como é maravilhoso usar o talit quando se entra em Sua presença. Alguns lá durante o louvor se cobriam com panos de feltro. Um dia, inclusive eu precisei. Fui realmente muito animado à igreja. Naquele dia eu só O queria. Nada além. Só queria vê-lo falar com Ele. Não permitir que olhos humanos, vozes, me impedissem de me dar totalmente a Ele. Eu via mesmo, sem ver humanamente, mas pelo espírito ondas humanas que me observavam, quase um vento querendo me inibir, não me deixar voar, me impedir de prosseguir. Mas... “Fora! Para longe de mim qualquer coisa interior e exterior que me impeça de me entregar a Ele”. Não há como querer a plenitude de D´us se houver coisas internas e externas que impeça Ele de Vir a nós e nós de ir a Ele. Sentimentos, conceitos, pensamentos, opiniões. “O que o Senhor quiser Senhor”. Logo que começou o louvor precisei por o talit e me esconder na Tenda de tudo e todos. Que lugar maravilhoso é estar debaixo do talit.
   Quando se busca demais o Senhor e numa reunião de Santos, neste propósito, D´us se derrama muito mais e as portas de chumbo e bronze são facilmente rasgadas.
   O acesso a Dús estava assustadoramente maior. Ele me ouvia. Eu podia chorar na Sua presença. Clamar para que Ele fosse Um comigo. E Que não deixasse nada me vencer. Por momentos estratégicos, tive que pegar o shofar e tocar.    Engraçado que nos momentos que o som saía mais baixo é quando eu sentia mais Seu Poder. Tirei o talit por um momento, mas era insuportável não tê-lo me cobrindo. Tive que colocá-lo novamente. Meus olhos e mãos estavam sendo tocados espiritualmente e fisicamente. Parecia que eles saltariam para fora. Algo fluía deles com muita força e luz. Mas não havia dor, apenas Seu toque. Muito bom e poderoso. Mais uma vez sua Glória me impedia de ficar em pé ou sentado. Sua santidade está muito visível.
   - Eu clamo para que caia por terra qualquer coisa que me impeça de tê-Lo por completo Pai:
   - Peça esta limpeza para você. - E eu pude ver a terra, o chão. Limpar o chão de terra. Um grande campo. Preparar o solo. Mas era de terra batida.
   - O Senhor precisa vir aqui neste lugar Pai!
   - Agora a mesma coisa você vai clamar pelos seus irmãos! - E o campo tinha que ser limpo. Toda a extensão da igreja se tornou um campo vazio e silencioso. O mesmo tipo de terra batida e escura. Eu tinha falar o que Ele queria, e ficar girando em 360º. – E eu ia fazendo e as direções aparecendo.
   - Pronto! Agora Vem Pai!!!!! - E Ele veio. Derramando-se como um Rio. Era O Seu Espírito. Como era maravilhoso. Santo é o Senhor. O louvor por fim acabou. Creio que alguns filhos estavam recebendo direções de ministrações coletivas ao longo desse encontro de Santos.
   Estava sentado a duas fileiras atrás das dos americanos. “Aquele americano 2” de ontem, estava ministrando muito a um outro americano sentado na ponta da fileira.
   Estranhamente, o que estava sendo ministrado pelo Americano 2 ao americano sentado, o atravessava e batia em mim como se fosse uma torrente de águas. O pastor já estava pregando, eu até quis por um momento prestar a tenção nele, mas o Espírito Dizia:
   - Não! Preste atenção aqui.- E o poder de D´us estava muito forte. Então o americano 2 vem pelo corredor, em minha direção, e eu de talit ainda cobrindo a cabeça (não conseguia tirá-lo). Minha mão praticamente gruda na dele, quase que involuntariamente e eu não sei como fui parar contra a parede. Ele segurando minha mão diz: “More Power”. Eu fiquei tão estranho, como se toda minha armadura “humana” caísse. Senti-me nu e visível a qualquer um; desprovido de máscaras, ou qualquer coisa que me escondesse. Mas fui me acalmando e bebendo de Sua paz. Tudo a minha volta foi sumindo e eu precisava dEle . Eu estava de olhos fechados, meus joelhos estavam se dobrando, e eu de olhos fechados via os joelhos dele também se dobrando. Abri os olhos e vi que os joelhos dele estavam mesmo se dobrando. Os joelhos não suportavam.    E caí prostrado no chão desesperado por Ele:
   - ADONAI! ADONAI! ADONEINU! - Era só o que eu conseguia dizer. Precisava dEle; muito. Preciso dEle muito.
   Ele ouviu e se aproximou. E eu disse Lhe em línguas:
   - Pai, aqui está um irmão! Um irmão meu. Preciso vê-lo com teus olhos. Ele está me abençoando. O Senhor o ama, o ama tanto quanto a mim! Ele precisa de ti tanto quanto eu! Quero que ele seja abençoado, Pai. Ele precisa. Precisa muito -    E fui ficando cheio. O talit não saia nunca de cima de mim. Da minha cabeça e corpo. E eu recebi algo para lhe entregar.    Não sabia o que ainda. Sentia apenas o poder daquilo.
   Ajoelhado ainda pus minha mão direita sobre seu ombro com força e comecei a falar em línguas. E minha voz foi aumentando, aumentando. Eu literalmente berrava. A igreja em silêncio, porque o pastor da igreja estava dizendo algo. Eu tentava abaixar o tom da minha voz, mas parecia que não adiantava nada. Piorava até. Ele estava prostrado de joelhos, e começou a gritar: “No! No!”.
   “Meu D´us! O que está acontecendo? Acho que vou chamar alguém da equipe dele para ajudar!”. Mas eu não podia:
   - Dús , tem misericórdia de mim Pai, o que está acontecendo? Ele está agonizando! Porque? Fiz algo errado? Diga-me o que fazer! Tenho que ajudá-lo!
   Então D´us me mostrou, que estava arrancando dores muito profundas de sua alma. Era uma verdadeira operação no coração. Então eu comecei a dizer a ele o que estava acontecendo em inglês. Disse também: “Yeshua is here!”. Ele berrava: “NOOOOO!”. Só para evitar fadigas disse que Yeshua era Jesus em Hebrew. D´us foi tirando dores, magoas profundas demais, e depois eu clamei para que o coração dele fosse o coração do Pai, que Ele lhe desse Seu coração. E era isso mesmo que Ele queria dar. Deu-lhe um novo coração, o coração DELE! Depois lhe deu uma forte couraça da Justiça e uma espada de poder.
   Como era maravilhoso contemplar aquilo. O amor infinito de D´us transformando. Depois pus a mão sobre suas costas e Ele derramou amor e paz sobre ele e sobre mim. Um amor e paz que iam me curando também. Ele foi muito tocado, assim como eu, e entendi que já podia tomar meu assento. Depois que eu dei por mim, me assustei com algumas coisas. Foi uma ministração totalmente fora de hora, eu não era um americano da Global Awakening, muito menos daquela igreja, nem fiz seminário. Eu nem podia estar orando por ninguém lá, muito menos daquela forma (teoricamente falando). Ninguém me parou, ninguém veio até a mim, ninguém da equipe da Global veio me auxiliar, ou me parar por estar ministrando um americano da sua equipe de elite. É como se as regras estipuladas não existissem mais naquele lugar. Ele fazia as regras e usava quem Ele queria, na hora que queria. Pude ver depois algo mau me rondando, mas acabou caindo por terra depois de muita oração. Também tive que lutar contra orgulho e essas besteiras de humanos. Até porque eu não tinha feito nada.    Ele fez através de mim porque eu desejei o bem do meu irmão. Só isso. Não existia mérito algum. Só o Seu amor. Não era novidade para mim ser usado para estas coisas. Não deu para tomar meu assento de imediato e fiquei um bom tempo sentado no chão apoiado na parede.
   O pastor sugeriu que se orássemos com alguém e o abraçasse. Eu estava do lado de um americano de uns vinte e poucos anos. Fui lá dar um abraço nele. E puxa! Como foi engraçado. Não agüentávamos ficar nem sentados. Caímos no chão dando muita risada. O Espírito estava derramando muita alegria e comunhão em nós. Puxa. Eu olhei e várias pessoas me olhando. Ah e daí? Estava tudo engraçado mesmo. D´us estava lá conosco. Feliz e derramando Sua felicidade. A palavra foi boa, apesar de eu não ter me lembrar muito dela. Bem. Tudo acabou bem e fui para casa. Aguardando ansioso pela noite. O que nos reservaria o Senhor naquela última noite?
   Era visível ver em mim uma grande transformação interna. Mesmo que minha vista (uso óculos) ou minha perna não voltasse a ser como antes, a mudança no meu ser era gritante. Muita cura. Muita cura emocional. Muita libertação. D´us estava sendo maravilhoso comigo.
   Bem, última noite e eu estava lá. Buscando o que Ele teria para mim. Encontrei o Felipe, e ele sugeriu que sentássemos bem na fileira de trás de onde ficariam os americanos. Mal sabia eu que era Ele que sugeria que ficássemos lá. Louvamos ao Senhor de nossas vidas com força e alegria. O louvor terminou. O Pastor da igreja deu sua palavra antes da ministração principal, falando sobre o Poder do Espírito Santo na Sua vida. Ele falava e mal conseguia se manter de pé, até que desabou no chão. Naquele dia, Seu poder estava singularmente assustador. No momento que o pastor da igreja caiu, senti um forte temor. O Randy Clark pregaria aquela noite, mas ele era o único que não havia chegado. Então resolveram orar pelos enfermos. Do meu lado sentava uma das americanas. Não dava para ficar nem sentado. Eu caí no chão e ela foi ministrando em minha vida. O Espírito Já pairava e visitava muitos de nós. O Espírito se manifestava estranhamente naquele grupo. Era como se viessem uns ventos de choque e eles tremelicassem na cadeira. Muito. E o Espírito tinha muito disso para derramar. Tanto que eu me abri mais para Ele. E do mesmo modo e jeito o “Vento” vinha a mim também. Era muito engraçado. Era como se Ele tocasse pontos presos em mim e fosse me libertando e curando. Depois era como se ventos elétricos passassem por nós. Às vezes era em seqüência, como um soprar de cartas ou dominó. As vezes eu chega caía da cadeira.
   Pessoas que foram curadas de retina descolada, surdez ao longo dos dias testemunharam.
   Mais uma vez foi dada a palavra de conhecimento pelo pessoal da Global e pela equipe que fez o seminário. A mulher que havia pregado sobre o grande amor de D´us, sobre cura na alma, recebeu uma palavra de conhecimento:
   - Alguém quebrou a perna esquerda e não consolidou direito e me veio o número 12 - Uau!!! Faz 12 anos que eu quebrei o fêmur. Só havia eu na igreja. Eu expliquei em voz alta:
   - Faz 12 anos que eu quebrei o fêmur, consolidou direito, só não ficou muito legal.
   Então oraram coletivamente. Muitos acenavam os braços testemunhando cura. Era revelado também adultério, vontade de se suicidar. A estes era dava a chance de não se expor em público se não quisessem.
   Exatamente na minha frente, uma cadeira para esquerda, (aquelas cadeiras brancas de plástico com apoio para os braços) estava o Americano 1, que havia sido o primeiro a orar pela minha perna no dia anterior. Um tempo antes ele havia perguntado sobre a perna. Disse-lhe que estava na mesma. Eu estava de pé. Ele se virou, sentado mesmo e pôs a mão na minha perna e começou a orar. O Poder do Senhor me veio, eu não agüentei ficar em pé e caí prostrado no chão. E chamei por Yeshua, em silêncio. Eu Estava em num lugar escuro. Depois de um tempo foi-me dado um rolo. Não muito grande. Ele era amarelo quase brilhante, com letras em marrom claro. Pareciam hebraicas. E eu comi o rolo. E fui me levantando. O americano, com ajuda de uma brasileira que era casada com um dos americanos da equipe, (ela também era da equipe da Global), traduziu para mim, porque ele falava muito rápido:
   - D´us está te capacitando e te dando ministério na Rua. - O que? Na Rua?” Puxa... que coisa. Não gosto de falar com estranhos. Não tenho facilidade. Por um momento me entristeci. E disse a ela que eu precisava de ajuda, porque tinha dificuldades. Bem. Ela disse claramente o que era bom eu me lembrar:
   - Você precisa dar o primeiro passo. Não deixa o inimigo te roubar isso! - Amém. Sair da zona de conforto. Se Ele determinou isso, é porque de alguma forma que eu não sei, eu sou o melhor para essa função. E me animei um pouco. E    Ele foi me enchendo e visitando.
   Então Randy chegou. Brincaram com ele. Ele explicou que o taxista se perdeu. Eu entendi que D´us o segurou no táxi para mover a reunião de outra forma. Muito bom. Pois esta igreja fica num lugar tão fácil e conhecido de São Paulo...
   Narrarei o quanto puder da pregação por ter achado muito importante. Não será na íntegra. Apenas o que eu lembro e creio ser importante escrever. Ele perguntou logo que subiu no púlpito:
   - Quantos de vocês já me ouviram pregar. - (uma grande parte) – E quanto não? – ( outra grande parte) – Quanto de vocês estiveram aqui nas outras reuniões e acharam estranho ou se sentiram desconfortáveis com as manifestações do Espírito? Podem dizer! Vamos lá! – (uma parte considerável levantou a mão) – Muitos de nós pede o avivamento! E quando ele vem, nós dizemos a Ele: Sente-se no último banco! E comporte -se!!! Nada de barulhos ou arruaças!!!
   Ele explicou como existem barreiras dentro do ser humano que causam reações estranhas ao que é o “Estranho de D´us”. Mais ou menos isso. D´us nos ama. Muitos não se sentem confortáveis com esses moveres do Eterno. Como se não fosse para eles, eu não devessem fazer parte disto, ou tomar parte disto. Por medo, por medo do desconhecido. Por orgulho, por conclusões humanas enfim, muitas raízes. Como pode um filho de D´us dizer que isso ou aquilo da parte do Seu Senhor não lhe serve? É a tal história de não comer TODO o Cordeiro do Êxodo 12. Escolher pedaços saborosos e deixar de lado aquilo que parece desconfortável comer. Porque Ele nos ama e quer Se dar, e Dar Seu Reino totalmente a nós. Ele quer se dar a nós.
   Randy Pregou sobre risadas no Espírito. Contou como ela era vista no começo do século passado, no início do avivamento. Usava-se o termo “Ficar feliz na Igreja” depois com o tempo, teve o rótulo “Risada Santa”. E disse que viu sua mãe rindo sem parar e na hora ele não entendia. “O que é tão engraçado? No meio do culto?” Ele disse:
   - Aquelas humildes risadas no meio do culto, no Espírito, agradavam ao Senhor e Ele vinha no meio dos seus e: ROOOAAAAARRRRRRRRRRR !!!!!!!! Surgia rugindo como um Leão!!!! O Rei da Tribo de Yehudah!!!”. – Ele então falou sobre um assunto interessante:
   - Vamos falar sobre o Vinho do Espírito. Sobre o se embriagar nEle”. Muitos começavam a rir demais, e uma grande sensação de bem estar me invadia. Eu queria isso!
   A americana que se sentava do meu lado antes, agora estava na fileira da frente; e ria tanto, mais tanto, que quando olhei para ela, vi um grande tonel de vinho com ela. E as pessoas ao lado dela não se agüentavam também. Todos eles na minha frente, a minha fileira e creio que atrás de mim estava sendo visitados demais.
   Ninguém se incomodava. Ninguém parava. O Randy não se incomodava com as gargalhadas:
   - Dizem que o Espírito Santo é educado, manso, não causa situações embaraçosas (aos olhos humanos). - E ríamos porque Ele já estava agindo de forma poderosa e como um furacão em nosso meio. E prosseguiu:
   - Em Atos 2 está escrito que as pessoas que não entendiam o que ocorria disseram: Vocês estão bêbados. Por que?    Porque eles realmente estavam bêbados. Bêbados do Espírito de D´us! Comportando-se como quem está altamente embriagado. Mas embriagado do Espírito!Cheio do Poder é do Espírito! Sabem, quando um marido quer algo a mais com sua esposa, quer mais dela, ele oferece vinho a ela. Para que? Para que suas máscaras, seus medos, suas inibições caiam por terra. Para que Ele a tenha mais e mais. A mesma coisa faz o Senhor. Ele derrama seu vinho sobre seus filhos para que eles bebam e sejam curados, alimentados, se tornem mais livres, que suas máscaras caiam, se desprendam de si mesmos, se entreguem a Mim sem reservas. E outra! Ninguém fica bêbado só com um gole de vinho não. É preciso beber muito dEle!-Ele continuou:
   - Uma vez, um pastor estava ministrando e viu redemoinhos nas cabeças das pessoas e não entendeu. E perguntou: O que é isto D´us? Ele disse: É meu Espírito procurando um coração aberto, que deseje me receber, louco para entrar e : POOOOOOOOOOOOOOWWWWWWWWWWW !!!!!!!!!!!”
   O Tradutor se entortou levou sua mão ao estômago como se tivesse levado um tremendo soco no estômago e disse:    “OOOWW!! OOOWW!! OOOWW!!” e desabou no chão. Randy disse:
   - Puxa! Ele já ficou bêbado com um gole só! - e riu. Tiveram que chamar outro tradutor.
   Era visível ver em mim muitas barreiras caindo. Moveres do Eterno que eu jamais tinha visto. E não só em mim, mas em muitos lá. Não tinha condições de me manter sentado na cadeira. Ele continuou:
   -Vocês querem mesmo que o Senhor seja Senhor absoluto de vocês? Vocês querem entregar todo seu ser ao Espírito Santo? Todo o controle de vocês? – Claro que sim!!!!!
   Ele chamou quem estava sentindo muito o poder de D´us à frente. Eu próprio não conseguia sair do lugar mais. E todos foram convocados a ir à frente. Eu queria ir ao banheiro, e fui, logo que começou. Fui e voltei. Comecei a ver as pessoas receberem o Espírito Santo de uma forma muito intensa. Uns urravam, outros rolavam no chão, desabavam no chão, outros choravam compulsivamente. Outros riam sem parar. Eu O busquei. Até o momento eu estava como quem não está tão bêbado. Andei por aquele meio na frente. Vi muitas pessoas se aglomerando para que Randy impusesse suas mãos em suas cabeças. Fui lá mais perto. “Eu preciso de ti Senhor. Me dá de beber verdadeiramente. Há algo que me impeça de beber mais de Ti? Arranca de mim. Preciso de Ti! Só de Ti.” E seu Ruach veio. Pude ver que Ele vinha vindo sobre mim. Não era mais possível se manter em pé. ” Pessoas à minha volta riam demais e diziam : Ahaha Vejam, vai cair, vai cair!” E não deu outra; caí e as pessoas caiam na gargalhada, e eu também. Era uma alegria muito além da humana. “Ah ,meu D´us que bom isso!!!” Tentava me locomover como dava, de joelhos me arrastando , querendo mais dEle, beber mais. E dei de frente com um americano deitado, de uns 20 e poucos anos com a mão na face de uma moça, deitada também que não parava de rir. Era engraçado. E o espírito Ministrando com tanta força que já não dava para saber o que era deste mundo e o que era do céu. O americano pega ma minha mão como quem quer me passar algo e fica dizendo: “More Lord!” Uma moça cai do meu lado e rola até mim, me prensando e eu me espanto com uma coisa. Eu não tive nenhuma reação sexual com isso! Isso era possível? Isso era possível! NEle era! Então Ele me disse:
   - Estou derramando sobre vocês a cura nesta área, destruída desde Adão. - Era inevitável gritar e se maravilhar com aquilo. Era como se fôssemos seres com o corpo glorificado. Antes do pecado e depois da vitória sobre o pecado:
   - Paaii !!!! Derrame isso sobre todos nós!!!! - E eu via sendo derramada essa cura sobre todos!!! E Gritava e urravam, pois correntes de milênios estavam sendo quebradas. Era insuportável não impor as mãos sobre as pessoas e ministrar o Espírito, a porção que Ele derramava sobre nós era vital compartilhar, impondo as mãos. Como se cada um recebesse um alimento celestial diferente e fosse dividindo com os irmãos.
   Durante bom tempo ficamos de mãos dadas eu, este americano e uma menina. Clamávamos mais do Senhor, Mais, mais. Sabíamos quando alguém passava por trás de nós, mesmo conosco deitado e o Espírito querendo derrubá-los. E ríamos. Quanta alegria de D´us. Outra menina caiu perto de mim, e estava descalça; peguei seu pé, e ela caiu de vez. Eu sabia que o poder de D´us estava fluindo nela. E Ele ministrava nela o chorar perante Ele, como aquela mulher chorou e lavou seus pés com lágrimas, na casa do Fariseu. Era quase incontrolável à alma ver aquilo. Ainda de mãos dadas com o americano caído, clamando ”more, more”, eu vejo um rio, um rio brilhante, prateado que vinha a nós e aumentava seu volume. Era visível demais aos meus olhos. O Rio de D´us. E eu jogava literalmente água em seu rosto e no de uma garota perto que se regozijavam nEle. Meu D´us, não existia tempo humano não acabava! Eram horas já. Era um banquete celestial. Agora eu sabia como foi ATOS 2. Eu que estava deitado, por um momento vi uma grande maca passar por cima de mim com alguém carregado. Como num jogo, ou melhor, numa arena ou campo de batalha. Na hora não entendi, mas depois soube que era um demônio grande tirado de atividade. Vencido e derrubado. Era possível com os olhos do Espírito, ver pessoas serem tocadas. E alguns pareciam tornar-se bombas e elas explodissem no Espírito e sua força vinha e varria tudo à frente e todos sentiam. Muitos caíam. Dava esta impressão com os olhos espirituais. Hora como grande terremoto que vinha também.
   Pude ver um ou outro receber passos de guerra, algo nos pés; e batiam os pés com grande velocidade, e força; e era sentido por muitos. Um passo poderoso. E eu gritava em línguas deitado:
   - De quem é este passo de guerra??? De quem é senão DELE? OOOOOOOOOOOOOOO!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! - Ele se abria a mim e mostrava seu poder no meio das nuvens. Mostrava que nos via que era dEle mesmo todo esse poder:
   - Mais Senhor! Mais! Mais! - E ele derramava mais, mais de Seu Espírito, de Seu Vinho, Sua cura. Haviam senhores, senhoras, crianças jovens, bebendo demais dEle. Irmãos que pouco conheciam o Senhor no começo do evento, caírem na unção, serem batizados pelo Espírito Santo, receberem dons e profetizarem com alegria. Ele comia conosco nesse inefável banquete dos céus. Eu olhava a minha volta, era como se já fossemos curados de tudo, as moças muito belas, com uma beleza pura e santa, vinda dEle , os homens não tinham nem pesos nem semblantes carregados pelo mal do mundo, nem pelos seus medos, exalando uma alegria e uma confiança no Seu D´us. Não tinham mais armaduras humanas, proteções, não desviavam seus olhos de nada. Muitas outras coisas maravilhosas aconteceram que eu levarei no meu coração pela eternidade. Fui um dos últimos a me retirar. Antes de ir, ainda caído no chão, vi aquele americano 2 e dei um sorriso para ele, feliz pelo momento que o Eterno havia nos dado no dia anterior quando eu estava com o talit. Ele apertou minha mão e disse: “Thank You!” Eu lhe disse: ”Thank You!” Como é maravilhosa a irmandade que Ele nos colocou. Em todos nós.    Éramos todos Um nEle naquela noite. Houve muita coisa naquele momento. Que quem esteve lá sabe. Entendo que o que havia de mais edificante foi escrito.
   Saí de lá, alta madrugada já. Bêbado e andando pelas ruas , clamando “Mais!Mais Senhor!” E me era dado mais e mais.    Passei por um mendigo na rua, enrolado, deitado no chão. E saiu muito poder na minha mão e eu andando estendi minha mão a ele. Era maravilhoso! Então, uns 5 metros à frente, me veio:
   ”Podia orar por ele”.
   “Ah,não. Não ... não levo jeito. Pai, o abençoa, o leva a ti. Pronto”
   “Podia ir lá e orar por ele”. “
   “Não. Não. Nem sei o que dizer. Está tarde, preciso dormir.” Comecei a ficar triste.
   ”Pai, me dá mais de beber.” Mas eu estava ficando triste.
   “Pai , não quero perder a unção desse vinho. Não Pai. O Senhor quer que eu vá lá falar com o mendigo, né? Eu não vou te desobedecer. Não vou perder a unção e essa alegria derramada em mim.” Bem voltei quase três quarteirões.
   “Não sei o que dizer, me ajuda Pai. Se o Senhor está me levando até lá, sei que vai me ajudar. Não vou me preocupar”.
   Então chego perto e vou expulsando os demônios ativos de perto e podia ver o vento que se manifestava. Então cheguei bem perto , pus a mão no seu ombro e o acordei amavelmente:
   - Oi, Oi - Ele acordou meio assustado, mas foi amável; e descobriu sua cabeça. Era um homem de uns 60 anos. Branco, com uma barba branca lisa:
   - Oi, me desculpe te acordar assim!
   - Oi, - disse se recompondo, mas de forma amável. - O que você quer? - Tinha um lado meu que se sentia um tanto idiota.    Eu sabia que ele já tinha ouvido falar de Yeshua. Quem nunca ouviu?
   - Você já deve ter ouvido falar de Jesus, não?
   - Ah, não. Religião não!Sou apóstata! Deixe-me dormir! - Bem. Ele não era tão ignorante. Um analfabeto não usa a palavra apóstata nem fala bem deste jeito:
   - Olha , eu não queria ter vindo aqui. Mas eu tive que voltar três quarteirões porque D´us me fez vir falar com você. Te dizer que Ele te ama e tem solução para sua vida. É isso.
   -Tá bom, ta bom! - Dizia ele com paciência. Então eu me agacho e ponho a mão no seu ombro. Nessa hora senti um amor muito grande por ele. Que queria abraçá-lo e cuidar dele:
   - D´us te ama. Ele não me faria vir aqui, te acordar a essa hora se não tivesse algo para sua vida. Busque-O. Ele tem mesmo algo para você. Não é religião não!
   Mais uma vez eu pus a mão em seu ombro e disse para Ele ficar com D´us.
   - Fique com Ele você também. – Disse ele.
   Eu então resolvi ir embora. Senti-me sem poder de argumentação, “acho que fracassei”, pensei. Apesar de que subitamente três metros à frente, me deu uma vontade louca de dar um pulo de alegria. Parte de mim frustrada e parte feliz.    Eu realmente não soube o que dizer. “Que papinho furado, eu falei. Não convenceria nem uma mosca com essa conversa. Mas Dús; tenha misericórdia! Abra os ouvidos desse homem para ti. O que eu disse não convenceu muito. Mas o Senhor pode. O Senhor pode”.
   Cheguei em casa quase duas da manhã. Dormi dizendo: “Mais Senhor! Mais Senhor!” E no meio do sono, por três vezes fui acordado por fortes ventos do Espírito.
   Eu estava sendo ministrado durante o sono o tempo todo. No dia seguinte não consegui trabalhar direito. Acordei e passei o da dizendo:”Mais Senhor!” Eu também estava com meu corpo um tanto abatido.
   Depois entendi também que a cura da perna e tanta revelação e orações que eram dirigidas quase totalmente para minha vida com Ele, que pelo problema em si, na verdade não era uma cura na “perna”. Mas na minha “alma”. Como eu estava doente na alma por causa daquele fato. E Ele me tocou. Tocou-me bem no profundo da minha alma e da minha doença. Também vi que nunca mais poderia deixar de permitir que o Espírito Santo me usasse, me tocasse, viesse a mim da forma que Ele desejasse. Sem medo. Sem medo do homem, daquele que não compreende, não gosta, ou fala mal.
Escrevi o que escrevi por Sua Ordem. Ele mudou, como foi relatado acima, a ordem da programação dos meus dias. Nada teria a declarar para complementar o que está escrito. Que Ele possa te ter por completo. Renovar seu entendimento, sua alma, e seu espírito.
   D´us te abençoe como vem me abençoado. Pois este é Seu maior desejo.
Shalom.

   Estes são alguns sites relacionados com a Global e seus integrantes:

www.globalawakening.com.br

www.casadedavi.com.br

www.globalawakening.com

www.dewnamis.com

parayeshua@yoddesign.com
Se você quer nos escrever e não possui outlook, ou programas de email, use o recurso abaixo



© Copyright 2006 -Todos os Direitos reservados

Follow mauropac on Twitter